Perguntas frequentes

O que é?

O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) é o instrumento de planejamento que traça o perfil da instituição de ensino, considerando sua missão, diretrizes pedagógicas, estrutura organizacional e atividades que desenvolve e  pretende desenvolver para  alcançar seus objetivos e metas para um período de cinco anos.

  • É o documento em que se definem a missão e as estratégias da Instituição para atingir suas metas e objetivos, abrangendo um período de cinco anos.
  • Contempla o cronograma e a metodologia de implementação dos objetivos, metas e ações da Instituição, observando coerência entre as diversas ações, manutenção de padrões de qualidade e o orçamento.
  • Deve apresentar um quadro-resumo contendo os principais indicadores de desempenho, que possibilite comparar, para cada um, a situação atual e futura (após a vigência do PDI).
  • Deve estar intimamente articulado com a prática e os resultados da avaliação institucional, realizada tanto como procedimento autoavaliativo quanto externo.

O PDI está previsto no Decreto n° 5773/2006, sendo um dos requisitos obrigatórios para avaliação de cursos superiores.

Para que serve o PDI?

  • melhorar os processos e dar efetividade aos resultados;
  • adequar as ofertas de serviço e atividades existentes;
  • poder vincular as ações programadas com o orçamento;
  • atender exigências do MEC/SINAES.

Como participo?

  • Frequentando seminários e workshops organizados pela Comissão Executiva para divulgação do processo e intercâmbio de ideias com diversos setores da comunidade;
  • Utilizando o canal de comunicação com Comissão Executiva, as Comissões Temáticas e a comunidade interna, através de: e-mail institucional (pdi@uema.br), site (www.uema.br/pdi), fóruns;
  • Respondendo enquetes e questionários publicados no site para contribuir na construção do PDI.

Quem pode participar?

A elaboração requer a participação de todos os setores da comunidade, pois o mesmo representa a formalização das expectativas e anseios que os participantes do processo de construção de conhecimento têm para com a Instituição.

O que é obrigatório no PDI?

De acordo com o art. 16 do Decreto nº 5.773/2006, o Plano de Desenvolvimento Institucional deverá observar os seguintes elementos:

  • missão, objetivos e metas da instituição, em sua área de atuação, bem como seu histórico de implantação e desenvolvimento, se for o caso;
  • projeto pedagógico institucinal (PPI);
  • cronograma de implantação e desenvolvimento da instituição e de cada um de seus cursos;
  • organização didático-pedagógica da instituição;
  • perfil do corpo docente;
  • organização administrativa da instituição;
  • infraestrutura física e instalações acadêmicas;
  • oferta de educação a distância, sua abrangência e polos de apoio presencial;
  • oferta de cursos e programas de mestrado e doutorado;

demonstrativo de capacidade e sustentabilidade financeiras.

O que é o Projeto Pedagógico Institucional (PPI)?

É um instrumento teórico-metodológico que define a política educacional para a Instituição, norteando as ações voltadas para a consecução de sua missão e de seus objetivos. O PPI faz parte do PDI, previsto no art. 16, II, do Decreto nº 5.773/2006.

O conteúdo do PPI abrange: a) a apresentação, b) o histórico da IES, c) o cenário e concepções atuais contemplando entre outros assuntos a educação, a sociedade, os desafios, as metodologias e compromisso da IES, d) o perfil do docente, e) o perfil do egresso, f) as políticas e diretrizes da IES e a g) bibliografia.

A construção do PPI é obrigatória pela Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996. O Decreto n.º 5.773, de 09 de Maio de 2006, criou a articulação entre o PPI e o PDI, visto ser o PPI um dos elementos do próprio PDI. Estes instrumentos, estão diretamente associados com as avaliações de cursos e processos de reconhecimento e credenciamento. Pode-se dizer que o PPI é um documento central que estabelece as políticas para tornar o acadêmico fiel à filosofia da IES. Enquanto que o PDI é instrumento de “alavancagem” institucional que deve estabelecer as ações para dar cumprimento às políticas expressas no PPI.

O que faz a Comissão Executiva?

  • Coordena e orienta os trabalhos de construção e discussão do PDI, pautados nos documentos norteadores constantes do modelo de elaboração do PDI proposto, da metodologia, da legislação, e de outros instrumentos;
  • Elabora e divulga amplamente o cronograma geral das atividades do processo de discussão e construção do PDI junto a toda a Comunidade Acadêmica, convocando-a para a construção;
  • Cria estratégias, métodos e instrumentos que garantam uma maior participação da comunidade em todas as instâncias do processo de discussão, construção e aprovação do PDI;
  • Solicita e recebe propostas e sugestões das Pró-Reitorias e dos Centros de Ciências e Estudos no cronograma geral das atividades;
  • Realiza análises e consolida propostas apresentadas pela Comunidade Acadêmica.
  • Elabora as diretrizes estratégicas e submete a consulta da comunidade acadêmica;
  • Compatibiliza as propostas apresentadas para as comissões temáticas;
  • Elabora o documento 1ª (primeira) versão do Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI e submete a sugestões da comunidade;
  • Recebe as avaliações do documento 1ª (primeira) versão do Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI e procede os ajustes necessários;
  • Elabora a versão final do Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI e encaminha para aprovação dos Conselhos Superiores.

O que fazem as Comissões Temáticas?

  • Coordenam e orientam os trabalhos de construção e discussão do seu eixo temático do PDI, pautados nos documentos norteadores constantes do modelo de elaboração do PDI proposto, da metodologia, da legislação, e de outros instrumentos;
  • Elaboram e divulga amplamente o cronograma geral das atividades do processo de discussão e construção do seu eixo temático junto a toda a Comunidade Acadêmica, convocando-a para a contribuições;
  • Criam estratégias, métodos e instrumentos que garantam uma maior participação da comunidade em todas as instâncias do processo de discussão, construção e aprovação do seu respectivo eixo temático;
  • Solicitam e recebem propostas e sugestões das Pró-Reitorias e dos Centros de Ciências e Estudos no cronograma geral das atividades;
  • Realizam análises e consolidam propostas apresentadas pela Comunidade Acadêmica.
  • Elaboram o documento 1ª (primeira) versão do seu Eixo Temático e envia para a Comissão Executiva;
  • Recebem  as avaliações do documento 1ª (primeira) versão do seu Eixo Temático e procedem aos ajustes necessários;
  • Elaboram a versão Final do seu Eixo Temático e submetem à Comissão Executiva.

O que faz a Comissão Avaliativa?

  • Avaliar os trabalhos de construção e discussão do PDI;
  • Avaliar e aprovar elementos estratégicos: missão, visão, valores e diretrizes;
  • Avaliar e aprovar o documento 1ª (primeira) versão do Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI;
  • Avaliar e aprovar a versão final do Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI e encaminhá-lo para aprovação do CONSUN;
  • Deliberar e dirimir sobre casos omissos que não constam nos documentos.

O que fazem as comissões regionais?

  • Sensibilizar e mobilizar a comunidade acadêmica;
  • Apoiar às comissões temáticas nas discussões e sistematização de propostas;
  • Apoiar às comissões temáticas no levantamento de dados e informação relativas aos centros contemplados na sua região;
  • Consolidar as propostas dos Centros da sua região;
  • Elaborar propostas dos Centros envolvidos quanto à oferta de cursos, vagas, planejamento de capacitação, infraestrutura e quadro de pessoal.

Manual de Referência PGA 2016

OBJETIVO ESTRATÉGICO: Definição do que a Instituição deseja alcançar para implementar em cada estratégia. Funcionam como sinalizadores dos pontos de atuação onde o êxito é fundamental para o cumprimento da missão e o alcance da visão de futuro.

ESTRATÉGIA: A estratégia é o padrão ou plano que integra as principais metas, políticas e sequencias de ação da organização em um todo coeso. Uma estratégia bem formulada ajuda a organizar e alocar os recursos de uma organização em uma postura única e viável, baseada em suas competências e deficiências internas relativas, mudanças antecipadas no ambiente e movimentos contingentes por parte dos oponentes inteligentes. (MINTZBERG et al., 2008, p. 28.);

INDICADOR: É o parâmetro que medirá a diferença entre a situação desejada e a situação atual;

META: objetivo a ser alcançado em um determinado intervalo de tempo; São fins quantitativos ou qualitativos que a Instituição pretende alcançar num determinado espaço de tempo.

PLANO DE AÇÃO: é uma ferramenta administrativa, também conhecido como 5W2H, pode ser entendido como um checklist de atividades que precisam ser desenvolvidas por parte dos servidores da Instituição. Pode-se entendê-lo também como um mapeamento destas atividades, onde ficará estabelecido:

O que deve ser feito (What?): deve-se citar todas as etapas.

Como fazer (How?): detalhamento da medida a ser tomada. Tente pensar em todas as possibilidades envolvidas.

Quem fará o quê (Who?): deve-se colocar o nome do responsável direto pela atividade.

Em qual período de tempo (When?): data prevista para o início e o término da ação.

Em qual área (Where?): descrever o local ou departamento onde deve acontecer a ação.

Os por quês (Why?): os motivos pelos quais esta atividade deve ser feita, ou seja, qual a justificativa para a execução daquela ação proposta.

Quanto custara a ação (How much?): tente colocar aproximadamente os valores envolvidos nas ações propostas.

RELATÓRIO PROPOSITIVO: Tem por objetivo apresentar sugestões e/ou propostas construtivas que objetivem aprimorar um processo, uma atividade e/ou um trabalho. Como o nome remete, é um relatório que deve propor soluções para demandas já definidas.

RELATÓRIO ANALÍTICO: Tem por finalidade relacionar, informar ou relatar com máximo de detalhes um problema, ideia ou questão. Deve especificar todos os componentes para que se possa avaliar as partes que devem ser consideradas deste problema, de maneira meticulosa para análise do contexto desta ideia.

RELATÓRIO ANALÍTICO E PROPOSITIVO: Tal qual o analítico, também tem por finalidade informar ou relatar um problema, ideia ou questão. Todavia, deve apresentar maiores esclarecimentos, ou seja, realizar um estudo que investigue e apresente propostas para melhorias dos processos.